Acusada de matar grávida em canelinha para ficar com bebê é condenada a 56 anos de prisão

Enviar no WhatsApp
Acusada de matar grávida em canelinha para ficar com bebê é condenada a 56 anos de prisão

Sessão teve início na manhã desta quarta-feira e terminou só a noite (Foto: MPSC/Divulgação)

 

Foi condenada a 56 anos e dez meses de prisão em regime inicialmente fechado a mulher acusada de matar uma grávida em Canelinha em Santa Catarina. O caso ocorreu em agosto do ano passado, mas o julgamento só aconteceu nesta quarta-feira (24) em Tijucas.

Ela foi condenada pelos crimes de homicídio qualificado - feminicídio, motivo torpe, mediante emboscada e por impossibilitar a defesa da vítima -, tentativa de homicídio e mais quatro crimes conexos - ocultação de cadáver, fraude processual, subtração de menor e parto suposto. Além disso, os jurados também acataram, na tentativa de homicídio, o fato de ter sido praticado sem dar chances à vítima.

Ao todo, sete pessoas foram ouvidas entre amigos e pessoas que atuaram no caso no julgamento que durou mais de 15 horas. A ré também prestou depoimento.

Antes da sessão, houve um protesto na frente da Câmara. Amigos e familiares da vítima vestiam camisetas com o rosto dela e seguravam um cartaz com a frase: "Os dias passam lentos, as horas machucam como espinhos, mas temos forças e confiamos na chegada da justiça".

Uma das testemunhas - o policial que participou das investigações - afirmou que a ré chegou a pesquisar na internet e com amigas como seriam os exames para comprovar o parto e forjar provas. Além disso, o viúvo da vítima contou que, no dia do assassinato, a esposa se preparava para o chá de bebê quando comentou que "nem o marido nem a mãe poderiam falar que sabiam da surpresa".

Ré estudou como tirar o bebê do ventre da mãe

A ré começou a ser interrogada por volta das 17h30. No depoimento, ela admitiu que pesquisou na internet sobre o parto e a gravidez para simular os sintomas. A mulher também disse que planejou todo o crime: desde o chá de bebê falso, para a emboscada, até o lugar do ataque.

Ao ser questionada pelo MP sobre os detalhes do crime, ela admitiu que estudou pelo celular como tirar o bebê do ventre da mãe e que se sentiu capacitada para isso. À defesa, ela alegou que só se arrependeu do que fez depois que foi presa.

Por volta das 19h00, a promotoria iniciou sua fala, alegando que a ré tem total capacidade de entender o crime que cometeu. Além disso, a acusação defendeu a qualificadora do feminicídio dentro do contexto do crime.

Segundo o promotor Alexandre Carrinho Muniz, o crime foi cometido em razão da vítima ser mulher já que "só mulheres tem a possibilidade de gerar uma criança". Por fim, a promotoria disse que a ré foi motivada pelo egoísmo.

A defesa da acusada também teve uma hora e meia para apresentar os argumentos aos jurados.

A mulher foi julgada por seis crimes, de acordo com o MP: homicídio qualificado (feminicídio) contra a mãe da criança; tentativa de homicídio qualificado contra o bebê; ocultação de cadáver; dar parto alheio como próprio; subtrair o bebê da mãe; e induzir o juiz ou perito ao erro.

Após o julgamento, ela foi encaminhada ao presídio. A decisão cabe recurso, porém, como a pena é superior a 15 anos, ela não poderá recorrer em liberdade.

 

Por Luana Amorim

Hora de Santa Catarina

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo